.PS Almeida aberto à sociedade

Faz chegar a tua voz ao PS Almeida com notícias, opiniões, sugestões, comentários, críticas, textos... p.s.almeida@sapo.pt
Quinta-feira, 12 de Fevereiro de 2009

Intervenção do Primeiro-Ministro no Debate Quinzenal “Economia” 11.02.2009

 

1. A execução da Iniciativa para o Investimento e o Emprego

A resposta do Governo à crise económica segue uma linha de rumo clara. Em primeiro lugar, estabilizar o sistema financeiro e melhorar as condições de acesso ao crédito por parte das empresas e das famílias. Em segundo lugar, apoiar as empresas a enfrentar as dificuldades e proteger as famílias mais vulneráveis. Em terceiro lugar, aumentar o investimento público. Em quarto lugar, proteger o emprego. A Iniciativa para o Investimento e o Emprego corporiza esta linha de rumo.

Quero, por isso, quero dar conta ao Parlamento da execução das medidas que já estão no terreno.

A primeira é o pagamento das dívidas do Estado aos seus fornecedores. Até ao momento, foram pagos mil e quatrocentos milhões de euros. E as autarquias locais preparam pagamentos que somarão mais 485 milhões. Falamos, pois, de dois mil milhões de euros devolvidos às empresas e injectados na economia real – a maior operação de sempre de regularização de dívidas da administração pública a fornecedores.

Muitos falaram ao longo dos últimos anos no pagamento das dívidas do Estado às empresas, mas a verdade é que este foi o Governo que passou das palavras aos actos. Nós não nos limitámos a falar no assunto. Nós pusemos o Estado a pagar aquilo que deve.

Em segundo lugar, as linhas de crédito às empresas. Por esta via, com juro bonificado e com parte do risco garantido pelo Estado, as empresas portuguesas acederam já a dois mil milhões de euros de financiamento.

Mas quero destacar a linha de crédito destinada a micro e pequenas empresas até 50 trabalhadores. A linha foi totalmente esgotada, no primeiro mês da sua concretização, apoiando 12 mil empresas, no valor global de 400 milhões de euros. Esta foi a resposta dos empresários àqueles que, de tanto quererem dizer mal de tudo e de todos, não hesitaram em criticar estas linhas de crédito que ajudaram tantos milhares de pequenas e micro empresas.

Dada a rapidez com que a linha de crédito se esgotou, ela foi ontem mesmo reforçada com mais 200 milhões de euros. E assim continuaremos: a ajudar as pequenas e médias empresas a terem acesso ao crédito, porque isso é fundamental para a economia portuguesa.

Em terceiro lugar, o apoio ao emprego. O conjunto das políticas de emprego e formação atingirá, em 2009, 2,7 mil milhões de euros. Isto representa a afectação de uma soma muito importante de recursos públicos à nossa prioridade essencial, que é a protecção do emprego. Já estão em vigor todas as medidas que fazem parte deste programa, quer no apoio à contratação de jovens e de desempregados, quer nos estágios profissionais, quer na qualificação de activos em períodos de redução de actividade, quer no aumento da protecção social no desemprego.

Há quem se contente em descrever os problemas. Mas a obrigação de um Governo responsável é responder aos problemas, apoiando os trabalhadores e as empresas. A obrigação de um Governo responsável é orientar as medidas para os pontos que são mais urgentes e onde elas podem ter efeitos mais imediatos – e a prioridade é, sem dúvida alguma, a manutenção do emprego.

2. A promoção do investimento

A estabilização do sistema financeiro, o pagamento das dívidas do Estado, as linhas de crédito às empresas, as políticas activas de emprego e formação, todos são instrumentos importantes de resposta aos efeitos da crise económica mundial. Mas nada substitui o investimento promovido pelo Estado, o investimento que moderniza o país e cria imediatamente emprego.

O investimento promovido pelo Estado, executado pelo Estado ou por privados, é decisivo para a modernização e a recuperação económica. Dou apenas três exemplos:

  • a construção de novas barragens, que é essencial para aproveitar o nosso potencial hídrico, para reduzir a nossa dependência do petróleo e para aumentar a as energias renováveis em Portugal;

 

  • as redes de nova geração de banda larga de alta velocidade,  infra-estrutura essencial para a modernização tecnológica do País;
  • e, sobretudo, a modernização do nosso parque escolar, que é essencial a uma escola pública de qualidade. E neste domínio

quero chamar a atenção para as novas metas e calendários do programa de modernização do parque escolar.

Já estão a decorrer obras em 26 escolas secundárias; começámos na semana passada a lançar os concursos para a requalificação de mais 75 escolas. Isto significa que, em 2009, estarão 100 escolas secundárias em processo de modernização e de requalificação com um investimento público na ordem dos 800 milhões de euros – um investimento público que se realiza em todo o país, serve as famílias e gera emprego! 

3. Eficiência energética e uso de energias renováveis

O investimento em energia constitui uma das áreas principais do combate à crise. Ele representa bem o encontro entre a recuperação económica e a modernização estrutural da sociedade portuguesa.

Pois bem: quero anunciar os termos e a execução imediata de duas medidas essenciais do nosso programa para a energia, ambas dirigidas à promoção da eficiência energética e à promoção das energias renováveis.

Em primeiro lugar, a instalação de painéis solares nas habitações particulares. Durante o ano de 2009, as famílias que instalarem painéis solares térmicos nas suas casas contarão com um triplo benefício: pagarão menos de metade do custo do equipamento; verão a factura energética anual reduzir-se em mais de 20%; e terão ainda um benefício fiscal de 30% do custo de investimento no primeiro ano. Mas as famílias que entenderem poderão recorrer também ao crédito bancário para financiamento dos painéis, em condições preferenciais, já a partir do próximo mês. Há já entidades bancárias e fornecedores que se associaram para garantir não apenas o financiamento como a rápida instalação destes equipamentos, em condições muito vantajosas para as famílias.

Este é o programa mais ambicioso de sempre na promoção da utilização doméstica de energias renováveis. A meta é instalar, em 2009, painéis solares em mais de 65 mil habitações. O investimento previsto chegará aos 225 milhões de euros, cabendo ao Estado uma comparticipação na ordem dos 100 milhões. Estima-se também a criação de cerca de 2.500 postos de trabalho.

Este é o investimento de que precisamos. O investimento que gera emprego, cria actividade para as nossas empresas, aposta na poupança energética e no uso das energias renováveis. O investimento que é simples e cómodo para as famílias e melhora o seu bem-estar.

Ao mesmo tempo, iniciaremos também o programa de melhoria da eficiência energética dos edifícios públicos. A primeira etapa é a realização, a partir de Março, de auditorias sistemáticas a 100 edifícios públicos que, em todo o país, são grandes consumidores de energia, e entre os quais se contam universidades, hospitais ou instalações da defesa nacional. Logo de seguida, arrancarão as obras necessárias para que estes edifícios passem a cumprir as regras da eficiência energética.

Este é um investimento necessário e modernizador. Um investimento que pode e deve ser feito já em 2009, dinamizando a actividade de muitas pequenas e médias empresas e garantindo mais postos de trabalho. É também um investimento claramente rentável: os contribuintes portugueses investirão para reduzir a factura energética que pagam pelos seus serviços públicos. E o que investem agora é muito menos do que a poupança que obterão no futuro.

4. Dinamizar a economia, promover o emprego

A crise económica mundial pede acção. Acção ao nível mundial e ao nível europeu, mas também ao nível nacional. E a acção passa pela promoção do investimento.

A hora é, pois, de investir. Investir nas escolas e na qualificação, investir nas redes de nova geração, investir na eficiência energética e nas energias renováveis. Dinamizar a economia, apoiar as empresas, proteger o emprego, apoiar as famílias. A bem de Portugal e a bem dos portugueses.

 

publicado por psalmeida às 15:56

link do post | comentar | favorito
|
6 comentários:
De Anónimo a 12 de Fevereiro de 2009 às 23:02
È de aplaudir o tremendo esforço que está a ser feito no relançamento da economia e na manutenção do emprego e promoçãp de emprego mais qualificado.
Basta ver as legislação que saiu no DR de 30 de Janeiro. Uma nova medida - Qualificação Emprego para pessoas com mais de 35 anos, faixa etária que até aqui estava esxcluída dos estágios profissionais, as medidas excepcionais de apoio ao emprego e
à contratação, a nova modalidade dos programas ocupacionais, que agora vêm moralizar a sua utilização e responsabilizar mais as entidades.
As linhas de crédito de apoio às PME's.
A diminuição da taxa da segurança social da entidade patronal que contrate trabalhadores com mais de 45 anos, o agravamento da mesma taxa para os contratos a prazo.
Muito mais havia a mencionar, só com sectarismo e má fé se pode dizer que nada está a ser feito

Assim queiram as entidades aderir a estas medidas.
Certamente não vão resolver todos os problemas, mas vão certamente contribuir.

Da oposição de direita não se houve uma proposta, uma ideia para a resolução dos problemas que não seja a baixa de imposto, nada fazer para que tudo fique na mesma, à esquerda a proposta é diminuir a receita e aumentar a despesa.

Este governo pode não ser o ideal, certamente seria possível fazer de outro modo, mas não pode ser acusado de cruzar os braços e esperar que a crise se resolva por si
De Anónimo a 13 de Fevereiro de 2009 às 19:47
Olha!!! Um Ánónimo.... Então EX.MO psalmeida? Também deve deixar cair a máscara???? Ou agora não que interessa............
De Anónimo a 14 de Fevereiro de 2009 às 01:08
ENQUANTO O PSD PROCURA O NORTE HAJA ALGUÉM QUE LEVE ESTE PAÍS A BOM PORTO.
UM PARTIDO COM RESPONSABILIDADES GOVERNATIVAS QUE SÓ PARA GANHAR UM VOTOS FAZ PROPOSTA CONTRA OS SEUS PRÓPRIOS PRINCÍPIOS, A QUEM AINDA NÃO SE OUVIU UMA PALAVRA NO CASO BPN QUE NÃO FOSSE PARA CRITICAR O REGULADOR É CASO PARA DIZER QUE ACUSAM O POLICIA E DEFENDEM O LADRÃO, TODAS AS FRAUDES ERAM PERMITIDAS DESDE QUE NÃO FOSSEM DESCOBERTAS, A CULPA PARA ESTES SENHORAS NÃO É DE QUEM PRATICA OS ILÍCITOS , MAS SIM DE QUEM OS NÃO DETECTA.
SÓ NOS RESTA ESPERAR QUE O PSD SE RESTABELEÇA DA MALEITA QUE O ATACOU, NÃO HÁ-DE SER DOENÇA CRÓNICA
COM OUTRO LÍDER PODERIA DESEJAR QUE CRESCESSE, COM ESTA LÍDER SERIA PERIGOSO POIS PODERIA DESAPARECER ,QUE A IDADE JÁ NÃO DÁ PARA TUDO
HAJA PACIÊNCIA
De Anónimo a 14 de Fevereiro de 2009 às 15:15
Sempre achei um disparate a teoria da campanha negra como justificação para as noticias sobre José Sócrates.
Achei. Já não acho. Desde que vi na televisão uma senhora que atende pelo nome de Ana Manso e por coincidência é deputada do PSD pelo distrito da Guarda, com aquele ar que lhe é característico , vir falar em casos ocorridos nos anos 80 na Câmara da Guarda que têm como alvo o 1º ministro.
Pergunto: Só agora deu pelas irregularidades?

Só são irregularidades porque o visado é agora 1ª ministro?
Que andou a fazer estes anos todos? Só são irregularidades porque este é um ano eleitoral por excelência?

Não é com estas atitudes que se credibiliza a actividade politica.

Este tipo de gente quer ganhar eleições, não por mérito próprio mas por eliminação dos adversários políticos

Os beirões sempre foram homens e mulheres inteligentes, honestos trabalhadores e determinados, que sempre lutaram por uma vida melhor, muitas vezes nas condições mais adversas
e certamente não deixarão de repudiar e castigar eleitoralmente estes actos de puro oportunismo.

O PSD já devia ter aprendido que a maledicência não compensa.

Não quero com isto dizer que verdade não deva ser apurada.

Só questiono o oportunismo deste interesse súbito da Srª Ana Manso.
Se durante 20 anos não tomou nenhuma atitude porquê agora?

A verdade é como o azeite, isto vale para todos.
De Bate no Fundo a 25 de Fevereiro de 2009 às 16:24
Sem conteúdo; palavras por palavras e plus rien ...
De NeverOrange a 2 de Março de 2009 às 10:59
Gostaria muito de ver apeado da C. M. A. o poder laranja, mas comer com este a nível nacional, tem sido, o que o Povo Português sente diáriamente ... ...

Comentar post

.Concelhia PS Almeida

.pesquisar

 

.Maio 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. CONVOCATÓRIA --ELEIÇÃO D...

. Discurso do Ps Almeida no...

. Intervenção do PS Almeida...

. Ano Novo Vida Nova

. Demissão dos incompetente...

. Resultados Eleições Primá...

. Resultados Federação ...

. Eleições Primárias - Ca...

. Discurso sobre as comemor...

. 40 anos do 25 de Abril

.arquivos

. Maio 2016

. Abril 2015

. Dezembro 2014

. Outubro 2014

. Julho 2014

. Abril 2014

. Fevereiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

.tags

. todas as tags

.links

.história partido socialista

.horas certas

.Visitas

.AVISO

Para preservação de um nível crítico elevado os comentários anónimos ofensivos, caluniosos ou obscenos podem ser eliminados do blog.
blogs SAPO

.subscrever feeds